https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/bcbb2d15c989eb06f876650962d76879.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/fa5472c5863279bcdfe9e3069ab68a96.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/3a12beb296a1f6865080d93444920839.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/6286d57e50516c8320778d2e15c6e73c.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/cf3bbc201944eb1d2378a394d3511415.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/473f46e59795f2598350433515c94121.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/0ea9981b43b06b16308c8e5a4c261c1a.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/3f2bd98e43cf8f64a07e33dfd579cb6a.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/e1806f69d69647a95181bdcb1bc58f70.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/75448b4f8c70693048aceeb82f631050.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/c79beeb051e74af05171c70c9839be11.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/e1a727c9d96c510ebdb980d6b1b6127e.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/76e0ee299223a1844eaaef20737493e1.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/1920bc6fcc7f1d829b41aa5262dffa7d.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/ad3502685bc936fbaab4509570b76582.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/4ec95d52f669819c3fc204534931e60c.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/b2020b77b46e70f01b51932ee8499d70.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/c7e5dbc6ee6cf0992e31dc830662c359.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/56889f0b0e3343de387d5d749ebfea4b.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/10e31b2aad1725abf06ee4d2b3c0ebf3.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/ef6cbc38492514c199521a628c111592.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/60a6e604451115a7a31388bf5c21f5e3.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/718d05a55e686622781553b805442572.jpg
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/7183b2d97f4784dbac49dd285f8caf0a.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/0043852a9fc5252a7b371c8aba4afc68.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/a88e69c182536b0e48e56755760cc950.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/92dd93280e82b77d48afe0e9edbe07da.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/bf3a5e68986483a98bda4525eec3987d.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/9e9cc0962f12a7ab6983efc94ce7fd01.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/e25de374f221290ecf6bf9027400f5ba.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/0ba5783743621da471dee342ee5ebb1f.jpeg
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/153bcc8ee4e2f729aedcadee4253d746.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/c0678c450739e443a994b6b97790a2e8.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/cf69160ebf98bb36a65944d68b8d3e31.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/17bbabb329f660cbd2d602a6776ed597.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/ab7a30d23432b919e9c3d164d0a01876.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/a06fcd00371212c11a94a73591a37c70.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/4e5be97a41ecfe28ab1f558b63033ab7.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/876112ddbfb2f4f0dadb6dd2b25ae175.png
https://public-rf-upload.minhawebradio.net/158946/slider/3a7b6ea4e7ef0739345fa6d74eabe923.png
O Tocador de Blues e a Morte
27/11/2020 20:29 em Contos
Estava velho, o velho tocador de blues. Subiu os dois lances de escada com todo o peso dos anos sobre suas costas. Estava velho e gordo. Pobre e sozinho. Sem amigos, sem a fama, sem as noites de uísque e drogas. Pior, sem as muitas mulheres. Entrou no pequeno apartamento de dois cômodos. A mesma escuridão e cheiro da estreita escadaria de madeira. Sentou na cama. Cansado. Respiração pesada. Tudo muito desarrumado. Desorganizado. Mofo, poeira e sombras. Sabia que aquele era seu fim. Seus últimos instantes. Não estava triste ou com medo. Ao contrário. Sorriu quando pegou a garrafa do seu melhor uísque, que guardara para este momento. Primeira dose, num só gole. Saboreou e em seu íntimo agradeceu por tudo o que vivera. Mais algumas doses e sentia a presença da morte em seu quarto. Era quase possível vê-la, calma e tranquila, na poltrona do outro lado da sala. Sorrindo se perguntou: a mando de quem ela trabalha? Não tinha medo da morte. Sabia, sentia que àquela noite ela o beijaria. Não pensava no céu ou no inferno. Não se preocupava com isso. Lembrava, com alegria, porém sem saudades, dos velhos tempos de estrada, bares e música. Do velho som de sua guitarra. A morte continuava a olhar. O relógio ruía num tique-taque soturno. A Morte fitava-o. Faltava pouco. Muito pouco. O Velho tocador de blues, com muito esforço e ofegante, puxou uma case de baixo de sua precária cama. Sacou sua velha guitarra. A antiga companheira. Sua amante favorita, seu verdadeiro amor. Não havia envelhecido. Estava acima de questões terrenas e temporais. Era a personificação do blues. Do melhor do blues. Lembrou do uísque e viu que faltava pouco. Poucos dedos de boa bebida. Poucos dedos de vida. Neste momento não mentiria se afirmasse que viu a Morte. Que a viu sentada do outro lado do pequeno, sombrio, sujo e desorganizado apartamento. Encheu o copo com o que restava na garrafa. Era sua última dose. A Morte fitava-o. A Morte via o velho negro e gordo, sentado num farrapo de cama. O velho não tinha medo. Estava sereno e tranquilo. Parecia até feliz, olhando a velha guitarra. A Morte olhou para o relógio e para o que restava da última dose do velho tocador que viera buscar essa noite. Neste momento, Ela foi surpreendida por uma triste e longa nota da velha guitarra. Fechou os olhos. E abriu quando o tocador de blues, dedilhava uma segunda e ainda mais triste nota. Um sôfrego e pulsante solo. Olharam-se. Sim, se olharam. O velho e a Morte. Sorriram um para o outro. Antes da última dose. Do último suspiro. Do último blues. Ambos consentiram. O velho e a Morte, que naquele momento também desejou uma dose, sem gelo. Ele tocou. Algo triste. Notas de dor. Tristeza, dor e lamento. O que somos, além disso, quando chega a última dose? O derradeiro encontro? Era uma beleza de lamento. Uma maravilha de dor. Uma alegria de tristeza. Velho, guitarra e som eram um só. Eram música. Eram blues. Genuíno e visceral. Celeste e demoníaco. Ao fim uma última nota. Longa e distorcida. Sorriu. Bebeu o que restava de uma só vez. Saboreando como nunca fizera em sua vida desregrada e transgressora. Descansou o copo, fechou os olhos e esperou. O tempo passava lento e arrastado. Ouvia sua respiração pesada e seu coração parecia explodir. Ficou ainda um tempo de olhos fechado. A última nota ainda estava presente em seu quarto. Esperou. Nada. Abriu os olhos e não sentia a presença da Morte. Fora embora. Não resistiu a última nota. Rabiscou o nome do velho da lista e o deixou com seu lamento. Voltaria em outra oportunidade. Não se sabe quando. Talvez quando estivesse com vontade de ouvir o velho tocador de blues.

 Epilogo01: Quando jovem, diziam que tinha o corpo fechado;

Epilogo02: Desceu para comprar uma outra boa garrafa de Uísque;

 

(Alexandre Pardal)
www.radioplanob.com.br

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
RADIO PLANO B